[ editar artigo]

Aplicativo que ajuda a ligar famílias

Aplicativo que ajuda a ligar famílias

Muitos devem ter lido o título acima e pensado, "mas é muita modernidade, mesmo?!". Alguns ficaram apenas curiosos e outros simplesmente ignoraram. Mas a questão é que, recentemente, foi lançado um aplicativo para aproximar ( ligar) quem quer formar e quem precisa de uma família. Um projeto lindo, importante e que envolve algumas necessidades humanas: amor e proteção!

Mas, antes de explicar o que é e como funciona o aplicativo, quero apresentar aqui, algumas respostas `a pergunta que fiz esta semana: "O que é família pra você"? Bem, tive uma participação interessante, mas a maioria das pessoas me respondeu por whatsapp ou por messenger. Quero dividir algumas com vocês.

A advogada e escritora, Adriana Gavazzoni, disse que esta é uma definição muito complexa. Mas que, certamente, é de onde vem os melhores aprendizados, mesmo aqueles mais duros!  Kraw Penas, fotógrafo, escreveu : "Família é onde tudo começa e tudo termina. Entre o começo  o fim dá pra gente formar várias famílias".  Wally Strasse, estudiosa e professora de Educação Física, definiu como " o pilar da vida". Para minha afilhada, Daniela Serra, "Família é um conjunto de seres vivos que tem laços afetivos entre si e se identificam como Família".

Lá fui eu buscar o significado formal de família, no Grande Dicionário Houaiss: "Núcleo social de pessoas unidas por laços afetivos que, geralmente, compartilham o mesmo espaço e mantém entre si uma relação solidária". Gosto de todas as definições, inclusive dessa, do dicionário. Percebeu que ninguém falou em laço sangüíneo?

Eu por exemplo, tenho minha família de sangue, que amo muito. Porém, tenho uma família maior ainda ligada apenas por outros laços e que inclui amigos e  afilhados, por exemplo! Mas sou tão, tão sortuda que tenho ainda uma família por adoçãoEles me apresentam - por onde vou - como filha, irmã, tia  e por aí vai! Pertenço àquela família faz uns 30 anos.  Amo e me sinto verdadeiramente família de todos eles.

Agora voltemos ao aplicativo de que falei, o A.DOT.  Um recurso tecnológico pensado para dar visibilidade `a crianças e adolescentes, em condição de adoção, que se encontram invisíveis - por suas características físicas ou pela idade.  É o primeiro aplicativo desse tipo do país, disponível para android, pelo site e, em breve, para o sistema IOS também.

Com o auxílio desse novo recurso, é possível que habilitados pelo Cadastro Nacional de Adoção possam acessar e conhecer o perfil de crianças e adolescentes - que aguardam por uma família -  no Paraná. 

Como funciona?

O App conta com fotos das crianças e adolescentes, além de vídeos  em que elas mesmas se apresentam. O pretendente - já habilitado  à adoção -  pode também usar o aplicativo para solicitar uma aproximação. Para quem não estiver habilitado,  o app funciona de outro modo, com informações sobre  o processo de adoção e  ajuda encontrar uma Vara da Infância mais perto da  cidade onde  mora. 

Para a presidente do Grupo de Apoio Adoção Consciente, Adriana Milczevisk Rendak, a tecnologia "permite que  crianças e adolescentes deixem de ser apenas 'um número' no Cadastro Nacional de Adoção".  Diz ainda que,  o App dá agilidade ao processo de interesse e solicitação de aproximação dos pretendentes sendo  que todas as informações são criptografadas, para garantir a segurança a todo o processo.

O que nos dá orgulho é que essa ideia nasceu e foi desenvolvida  aqui em Curitiba, resultado  de uma parceria entre o Tribunal de Justiça do Paraná, o Grupo de Apoio Adoção Consciente (GAACO) e a Agência BlaBlu, com apoio do Tribunal do Trabalho do Paraná e Ministério Público do Paraná.

Se você ficou interessado, entre no site www.adot.org.br. Quem sabe você começa a formar  uma família ou faz crescer essa que você já tem? Muitas crianças e adolescentes sonham com isso e estão cheias de amor para dividir!

Na foto:  Adriana Milczevsky Rendak ( com a camiseta do GAACO) ao lado do Dr. Sérgio Luiz Kreuz, da Corregedoria do TJ  - e a equipe que vai tocar o projeto. O jornalista, Vinícius Sgarbe, na ponta `a direita é  voluntário e fez a captação das imagens para o aplicativo.

Ler matéria completa
Indicados para você